Moscas Volantes

Moscas volantes são pequenos pontos escuros, manchas, filamentos, círculos ou teias de aranha que parecem mover-se na frente de um ou de ambos os olhos. São percebidas mais facilmente durante a leitura ou quando se olha fixamente para uma parede vazia.

Imagine o olho como uma “bola oca” aonde a sua parede interna é a retina. E esta “bola oca” é recheada por uma espécie de gel (vítreo) que é completamente transparente ao nascimento. Com o passar do tempo algumas opacidades podem surgir e ser notadas na visão. Tem-se a sensação de moscas na visão que se mexem com a movimentação dos olhos.

Dentre os fatores de risco, destacamos:

Com o processo natural de envelhecimento, o vítreo – fluído gelatinoso que preenche o globo ocular – contrai-se, podendo se separar da retina em alguns pontos, sem que cause obrigatoriamente danos à visão. As moscas volantes são proteínas ou minúsculas partículas de vítreo condensado, formadas quando o vítreo se solta da retina.

Nem sempre as moscas volantes interferem na visão. Mas, quando passam pela linha de visão as partículas bloqueiam a luz e lançam sombras na retina, a parte posterior do olho onde se forma a imagem.

Sintomas:

As moscas volantes ocorrem com maior frequência após os 45 anos entre as pessoas que têm miopia, as que se submeteram à cirurgia de catarata ou ao tratamento YAG Laser e também entre as que sofreram inflamação dentro do olho.

Tratamento:

Caso as moscas volantes não estejam relacionadas a um problema sério, como rasgos na retina, não será necessário tratamento. Com o passar do tempo elas tendem a diminuir.

Mas, se as moscas volantes forem um sintoma de rasgo, podem  provocar o descolamento da retina, o que pode ocasionar cegueira. Nestes casos é importante que o oftalmologista realize uma Mapeamento de Retina (exame de fundo de olho) para descartar presença de rotura retiniana.

Para mais informações: clique aqui.

feito por